22.7.17

Verve Feliniana

Adormecerei sob a verve Feliniana,
aceitando que se quisermos
compreender a vida
temos que nos dedicar
ao silêncio

J. Carvalho


Verve Quintaniana

Despertei com a verve
Quintaniana,
não me irritarei
por mais que me fizer
coração alheio
farei disso sutilmente
o meio recreio

J.Carvalho


21.7.17

Verve Chapliniana

Despertei
com a verve chapliniana
ciente da impermanência
de tudo neste mundo cruel

J.Carvalho


20.7.17

Verve Suassuniana

Nesta noite
adormecerei sob a verve
Suassuniana:
nem tanto otimista tolo
nem pessimista chato
apenas um esperançoso
pragmático

J.Carvalho



18.7.17

Verve Pessoniana

Hoje despertei com a verve
Pessoaniana
só que não menti completamente
nem finge nenhuma dor
disse tudo desbragadamente
o que devia
e até o que não.

J.Carvalho




AUTOPSICOGRAFIA

O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.

E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.

E assim nas calhas da roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama o coração.
Fernando Pessoa

Verve Drumondiana

Hoje acordei
com a verve
Drumondiana
só que chutei
todas as pedras
que vi pelo caminho.

J.Carvalho


No Meio do Caminho



No meio do caminho tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
Tinha uma pedra
No meio do caminho tinha uma pedra

Nunca me esquecerei desse acontecimento
Na vida de minhas retinas tão fatigadas
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
Tinha uma pedra
Tinha uma pedra no meio do caminho
No meio do caminho tinha uma pedra


Carlos Drumond de Andrade



14.7.17

Espero




Espero
não me apresso
guardo o zelo à paciência

Espero na ciência ao apreço
ao tempo que nos pedes
pois há a leveza no acontecimento

Espero
não desespero e canto no meu silêncio
a canção do amor que há tempos pra ti guardei

Pois sempre acontece o tempo certo
como nas notas de um conserto harmônico de vida
que por dias e anos preparei

J.Carvalho 

11.7.17

Súplica





E se tiveres hoje
que pedir ao PAI
peça respeito aos direitos
Peça amor
e sobretudo peça
o gozo da paz!

J.Carvalho

10.7.17

OURO PRETO 306 Anos



07/07/2017 / - 306 Anos de Ouro Preto.

Ouro Preto
O que mais dizer de ti
O que mais viver na tua história
No teu coração de memória inconfidente

Passagens incongruentes
Convergentes noites gloriosas
Desejos em segredos consequentes
Sob a lua que te abraça majestosa

J.Carvalho

5.7.17

Angústias e Boleros



Navego em silhuetas azuis
levezas de ondas do amor 
a fuga atroz de um lugar
enquanto espero
angústia  viva,
sombras e boleros

Navego por oceanos distantes
sinto fundamentais os sentimentos
preparo âncoras de beijos
em inesquecíveis momentos

acomodam-se paixões
que nos arrebatam a cada instante
semblantes de vida em resgates
em flashs felizes, sorrisos e orações
há sinais de alegria que permanecem
ícones de amores que em si restabelecem.


J. Carvalho









3.7.17

Ai quem Me Dera







Ai, quem me dera terminasse a espera
Retornasse o canto simples e sem fim
E ouvindo o canto se chorasse tanto
Que do mundo o pranto se estancasse enfim
Ai, quem me dera ver morrrer a fera
Ver nascer o anjo, ver brotar a flor
Ai, quem me dera uma manhã feliz
Ai, quem me dera uma estação de amor
Ah, se as pessoas se tornassem boas
E cantassem loas e tivessem paz
E pelas ruas se abraçassem nuas
E duas a duas fossem casais
Ai, quem me dera ao som de madrigais
Ver todo mundo para sempre afim
E a liberdade nunca ser demais
E não haver mais solidão ruim
Ai, quem me dera ouvir o nunca-mais
Dizer que a vida vai ser sempre assim
E, finda a espera, ouvir na primavera
Alguém chamar por mim

Vinícius de Morais